quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Memória e Responsabilidade

"Somos a memória que temos e a
responsabilidade que assumimos.
Sem memória não existimos,
sem responsabilidade talvez
não mereçamos existir."

José Saramago

4 comentários:

Chica disse...

Vim conhecer teu blog(te vi na Chris) e gostei!beijos,tudo de bom e Saramago é maravilhoso sempre!chica

Cris França disse...

que frase mais absoluta. bjs querida

Isa mar disse...

Sara, Saramago é um ícone, de uma sensibilidade e discernimento profundos
Obrigada pela sua visita, depois veja o que te respondi, beijossss

j maria castanho disse...

O teu nome está no título...

Seara Acesa nos Regatos da Alegria


Há segredos que ficarão sempre guardados entre nós dois
A sete chaves entre os murmúrios dos marmóreos muros
Não há só amanhã, nem ontem e muito menos até depois
Despedidas portas abertas escondem-se na transparência
Como eu e tu que a sentir pensamos, criando consciência.

Recordo. "Surpreendo-me" disseste, ao pestanejar do gesto
Suspenso só agora veio à fala a resposta do resto impresso
Teu falar próprio como palavra da palavra exacta ao texto
Significativo – se dirá: "acariciar-te exige demasiado tempo
Esforço, atenção, predicado fiel ao verbo, pretexto afectivo;
És rebelde em teus contornos", adiantaste porém, a conclusão
Como um til de breve meneio, odalisca a dançar no palato
Contorcido baile do corpo que se desfaz entre tules e tafetás
Eclodindo cliques na língua de gás oxigenante à fala, o tacto
Sob o tecto de nós, grito que se ouve aflito por estarmos sós.

Somos únicos no amor nada receamos nem a dor, desengano
Porque todos sabem que te amo, mas ninguém como e onde
Esconde o verbo, rola-o na ponta da língua, a láctea pérola
Enrola-a entre sílabas difíceis, segreda o nome se te chamo
Di-lo sentido, alvéloa saltitante caçando os insectos desta voz
É como seara que se acende a reinventar a aurora ao novo dia
E em regatos de oiro rega a ocidente foz num oceano de alegria!